Traços da sua espiritualidade

Através da sua vida e obra podemos considerar alguns aspectos evangélicos que mais caracterizam a sua espiritualidade:

  1. A Vontade de Deus

    A busca da vontade de Deus é o núcleo central de onde emergem todas as facetas da espiritualidade e da obra evangelizadora de Teresa de Saldanha:

    Em todos os passos que tenho dado na minha vida sempre tenho procurado seguir a Vontade de Deus, aproveitando das circunstâncias que Ele permite para me indicar qual a Sua Vontade.

    Busca a vontade de Deus de um modo pessoal, existencial, afectivo, sensível, sempre ligada às circunstâncias o que a leva a conjugar a capacidade de arriscar com uma profunda confiança.

    No conturbado período da República, confirma a mesma fidelidade

    Esmagada por desgostos, mas à conta de Deus, aguardando os acontecimentos, mas a vontade de Deus se faça sempre e Ele melhor do que nós, sabe o que nos convém. Portanto digamos sempre: Fiat. Por seu amor, tudo se sofre, e é este amor que cicatriza as feridas do meu coração.
  2. O Seguimento de Jesus

    Teresa escutou e aceitou o desafio de Jesus:

    Vende o que tens, dá-o aos pobres, depois vem e segue-Me.
    (Mc 10, 21)

    Renunciou a um estilo de vida, à família e até ao que lhe dava tanto gosto e para a qual manifestava tanto talento, a pintura, para seguir Jesus e O servir naqueles com os quais Ele se identifica.

    Buscou a Deus e descobriu Jesus como o único caminho a percorrer, como a verdade a proclamar e a vida a viver. Ele tornou-se a pérola preciosa, o tesouro escondido, a presença do reino. Por Ele considerou tudo como perda:

    Desde a idade dos dezoito tenho sentido este apelo irresistível e este desejo de me tornar esposa de Jesus, consagrar-me a Ele, trabalhando tanto quanto possível para os pobres e servindo Jesus nos doentes e nos infelizes.

    Cristo foi a sua razão de viver:

    Nenhuma alegria na terra se pode comparar àquela que eu senti interiormente ao dar a Jesus o meu coração, o meu afecto, o meu amor.
  3. A aceitação da Cruz

    A Madre Teresa trilhou, como Jesus, o caminho da Cruz. Perante as contrariedades da vida, as dificuldades e o sofrimento reagia com grande espírito de fé, com confiança e fortaleza.

    Apesar de ser sensível, e se deixar perturbar com o sofrimento, com as dificuldades, foi uma mulher de combate e coragem. Reconhece que, se a cruz é demasiado pesada, Deus não lhe faltará com a sua força.

    Primeiro apresenta-se-me uma cruz bem grande, se não fosse o amor de Deus, que nos sustém, a natureza preferia descansar e parar.

    E noutra ocasião escreve com humor:

    Todos me felicitam pela cruz que me puseram. São tantas as coisas e tão diferentes géneros, que bem necessito ter força e que Nosso Senhor me ajude para caminhar serena no meio deste pequeno mundo.

    A força e o consolo vinham-lhe da experiência de que

    achamos a Cruz mas também achamos a graça e o auxílio de Deus.

    Nos últimos anos da sua vida, a Madre Teresa aparece-nos, mais do que nunca, purificada pelas provações que enfrentou:

    Fiat é a única palavra que eu consigo pronunciar, debaixo do peso desta tremenda Cruz! São para nós incompreensíveis os desígnios do nosso bom Deus, mas Ele sabe o que é bom para nós! A cruz e o sofrimento faz parte da minha vida desde que veio esta perseguição religiosa, e feliz sou eu de sofrer tanto por amor de Nosso Senhor.
  4. Passou pelo mundo fazendo o bem

    O lema de vida de Teresa de Saldanha: "Fazer o bem sempre e onde seja possível" foi atestado quer pelas diversas fundações que empreendeu, quer pelos seus escritos:

    A minha grande esperança são as obras de caridade que as nossas Irmãs fazem. Completamente feitas no silêncio, trarão bênçãos para a nossa grande obra. Eu só quero que se faça o bem, mas de uma maneira prudente, moderada, calma e serenamente.

    Teresa procurou fazer o bem, e fazê-lo em silêncio:

    Desejo fazer o bem, trabalhar, mas pouco me importa que os outros o saibam, que os outros o vejam, o caso é criar raízes nos corações, e vejo que é este o espírito que o inspira. Quero fazer o bem em silêncio, pois assim se fazem as obras de Deus.

    Concretizou o mandamento do amor na doação de si e dos seus bens aos mais necessitados e na criação e manutenção de escolas, asilos para os mais desfavorecidos da sociedade, como está testemunhado:

    Esta escola recebia as crianças mais miseráveis e desvalidas. Esta escola, a mais pobre da capital, era patrocinada por D. Teresa de Saldanha, filha dos condes de Rio Maior.
  5. É Cristo que vive em mim

    Ao iniciar a obra que Deus lhe inspirou, Teresa tinha consciência de que a iniciativa, a luz, o projecto, a força não eram suas, mas vinham-lhe do próprio Deus. É isso que comprova ao repetir a frase de São Paulo:

    Não sou eu que vivo é Cristo que vive em mim.
    (Gal 2,20)

    Manifestou a verdade da sua missão: ser instrumento nas mãos de Deus para realizar um projecto de libertação:

    A obra, o projecto não é meu, é de Deus, Ele quer que actuemos. Nosso Senhor, para mostrar o Seu poder e provar que tudo é Obra Sua, escolhe de entre as Suas criaturas as mais fracas. Eu nada sou. Ofereci-me a Jesus e então Jesus fará em mim o que quiser, desejando eu ser como uma criança nas mãos de Deus e seguir as suas inspirações.